Como montar um bom portfólio de arquiteto?

4 minutos para ler

Para conseguir a vaga de emprego dos sonhos ou novos clientes, é preciso se apresentar da maneira correta. Na arquitetura, não basta ter um currículo formal. É essencial demonstrar de forma completa a sua atuação — então, nada melhor do que montar um portfólio de arquiteto.

Esse elemento serve para resumir o seu estilo e a sua experiência. Fazê-lo corretamente, portanto, é indispensável para não desperdiçar nenhuma oportunidade.

Na sequência, veja como elaborar um bom portfólio de arquiteto e tire as suas dúvidas.

Defina o tipo de portfólio adequado

Antes de pensar na estruturação, decida qual é o modelo que melhor se adapta às suas necessidades. É possível usar tanto o portfólio online quanto o físico.

A versão online pode ser elaborada em sites específicos, como no Behance ou mesmo em um site de domínio próprio. É uma escolha conveniente para enviar para vagas com seleção virtual, por exemplo.

No entanto, também é o caso de ter um portfólio físico. Essa é uma alternativa interessante de ter sempre à mão para captar clientes ou possíveis empregadores. Deve ter um ótimo acabamento, ser criativo e trazer uma proposta atemporal.

Inclua as suas informações pessoais

Logo no começo, é muito importante acrescentar os seus dados pessoais de identificação. Isso é essencial para que a outra pessoa saiba, exatamente, como é possível contatá-lo, sem ter que fazer grandes buscas.

Em geral, basta apresentar o seu nome, sobrenome, o telefone e o e-mail. Também convém incluir o seu número de registro no Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU), pois isso garante maior segurança. Se for o caso, vale até acrescentar uma breve descrição dos seus principais interesses.

Adicione a formação e a experiência na área

Em seguida, é o momento de explorar a sua carreira de forma rápida. Lembre-se de que um portfólio de arquiteto não é um currículo tradicional, então não é preciso se estender demais na parte formal.

Em um ou dois parágrafos, explique quem você é, onde se formou e se tem alguma especialização. Aproveite para incluir a sua experiência na área, com foco nos seus interesses. A ideia é ser sucinto e, ao mesmo tempo, apresentar que tipo de profissional você é.

Selecione as imagens corretas

O recheio do portfólio é tão relevante quanto a apresentação. Ele é o ponto alto para demonstrar o seu trabalho, então é preciso tomar cuidado com as imagens. Selecionar apenas plantas baixas, por exemplo, pode deixar tudo sem graça. Já fotos pouco profissionais dos projetos finalizados dão a impressão errada.

O melhor é investir em algumas plantas ou elementos que sejam mais curiosos sobre o projeto elaborado. Se for apresentar o resultado construído, capriche para que a fotografia valorize a edificação.

Para que tudo fique bonito, pense em um design que combine com a sua atuação. A intenção é transmitir personalidade, com beleza e cuidado. Então, nada de apenas jogar as imagens em páginas, pois isso não é atraente.

Não exagere na montagem

Na hora de criar o portfólio de arquiteto, muitos profissionais têm dúvidas do que incluir. Como resultado, adicionam elementos demais e terminam com um resumo que, na verdade, é excessivamente extenso.

Em vez disso, fique apenas com aqueles que forem os seus projetos de destaque. Insira aquilo que trouxe maior satisfação ou que foi desafiador. Ao selecionar as melhores obras, é possível construir uma apresentação robusta e que se destaca das demais.

Ter um bom portfólio para arquiteto é essencial. Esse é o elemento que vai apresentá-lo para clientes e empregadores, então, o ideal é seguir essas dicas. Ao final, você terá os melhores resultados.

Se quiser conquistar de vez o contratante, baixe gratuitamente o nosso e-book e veja 6 passos para oferecer um atendimento diferenciado.

GUIA PARA ARQUITETOS: Entenda como atrair e fidelizar mais clientes.Powered by Rock Convert
Posts relacionados

Deixe uma resposta